1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>
  • Banner
  • Banner

PDFImprimirE-mail

Convenção Coletiva 2015/2016 se encerra este mês

Convenção Coletiva 2015/2016 se encerra este mês

 

O SINCOMERCIO RIO PRETO informa aos filiados e associados da entidade que a vigência da Convenção Coletiva de Trabalho - 2015/2016 da categoria dos comerciários,  termina no próximo dia 31 de agosto. Até que seja assinada nova CCT, os serviços já requeridos como Trabalho nos Feriados e Repis, continuam valendo.

A negociação para a próxima Convenção Coletiva de Trabalho  já começou  e logo o SINCOMERCIO RIO PRETO vai informar a você e a sua empresa.

SINCOMERCIO RIO PRETO – O representante da sua empresa.


PDFImprimirE-mail

PRESIDENTE DO SINCOMERCIO PROPÕE AUDIÊNCIA COM GOVERNO DO ESTADO

Nesta semana o presidente do SINCOMERCIO - Sindicato do Comércio Varejista de São Jose do Rio Preto solicitou o agendamento de audiência com o Governador Geraldo Alckmin para tratar de assunto relativo às feiras itinerantes. A ideia é mostrar ao político de que forma as feiras itinerantes tem prejudicado o trabalho daqueles que movimentam realmente a economia do estado.

Já há alguns anos, verifica-se o crescimento deste segmento, que se instalam de maneira transitória nos vários municípios do Estado de São Paulo para vender seus produtos sem vínculo algum com a comunidade local. O aumento destas feiras vem causando preocupação de todos os estabelecimentos comerciais, principalmente no interior, tendo em vista o impacto nas vendas dos lojistas e a concorrência desleal com os comerciantes locais.

O comércio local fixo, paga em dia seus impostos, fornece suporte ao consumidor, gera empregos na região. Estas feiras causam grande prejuízo aos comerciantes formais. Em estudo realizado pela FECOMERCIO SP neste ano, demonstrou-se que feiras realizadas três vezes por mês acabaram, só na região de Rio Preto, com 1.782 empregos.

Além das perdas para o comércio local e dos empregos que deixam de ser criados, há também uma perda significativa de arrecadação tributária, uma vez que as mercadorias vendidas nesse mercado não recolhem ICMS na operação, impactando negativamente, assim, os cofres públicos. Os recursos que deixam de ser arrecadados poderiam ser investidos, por exemplo, em obras de infraestrutura para a população local.

Referido estudo concluiu que no caso de uma alíquota de 4%, a perda de arrecadação anual no estado de São Paulo, com cálculo aproximado de R$ 700 milhões (R$ 58 milhões por mês). Para se ter uma base de comparação, em 2015, de acordo com o Portal da Transparência do Estado de São Paulo, foram transferidos R$ 440 milhões do estado aos municípios para a realização de investimentos.

O Sincomercio vem trabalhando de forma séria na defesa dos interesses dos empresários da de Rio Preto e região, visando minimizar os impactos negativos gerados pelo comércio irregular, em prol do desenvolvimento da economia local.

RICARDO ELADIO DI LORENZO ARROYO

Sindicato do Comércio Varejista de

São Jose do Rio Preto



Página 1 de 12

  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner