1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>
  • Banner
  • Banner

PDFImprimirE-mail

Empresário do interior de São Paulo tem programa para economizar até 18% em folha de pagamento

 

Uma grande notícia para os empresários da categoria Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP). Até o próximo dia 30 de março, com a adesão ao REPIS - Regime Especial de Piso Salarial, poderão ser praticados valores de pisos salariais diferenciados dos atuados pelas demais empresas. Trata-se de uma economia para o bolso do empregador de aproximadamente 18% na folha de pagamento.

Este benefício é válido apenas para as empresas estabelecidas no interior do Estado de São Paulo, que estiverem em dia com o recolhimento das taxas junto às entidades sindicais da categoria. Trata-se de uma cláusula que consta na norma coletiva aplicável aos comerciários do interior.

A adesão ao programa autoriza a redução dos pisos salariais com a finalidade de atendimento às características especiais deste segmento, bem como de incentivo ao crescimento e desenvolvimento da categoria econômica específica na relação empregado/empregador.

Veja aqui uma tabela de simulação dos dados do Repis e como podem se aplicar a sua empresa.

PISOS REPIS

Empresas de Pequeno Porte (EPP)

a) Piso salarial de ingresso          R$ 1.128,00

b) Empregados em geral             R$ 1.259,00

c) Operador de Caixa     R$ 1.352,00

d) Faxineiro e Copeiro  R$ 1.107,00

e) Office boy e empacotador    R$ 933,00

f) Garantia do comissionista       R$ 1.480,00

Microempresas (ME)

a) Piso salarial de ingresso          R$ 1.070,00

b) Empregados em geral             R$ 1.203,00

c) Operador de Caixa     R$ 1.311,00

d) Faxineiro e Copeiro  R$ 1.079,00

e) Office boy e empacotador    R$ 933,00

f) Garantia do comissionista       R$ 1.409,00

 

PISOS EMPRESA QUE NÃO ADERIRAM AO REPIS

I - Empresas em geral:

a) empregados em geral             R$ 1.313,00

b) operador de caixa     R$ 1.409,00

c) faxineiro e copeiro    R$ 1.158,00

d) office boy e empacotador     R$ 933,00

e) garantia do comissionista       R$ 1.539,00

II - Feirantes e ambulantes:

Empregados em geral.  R$ 1.313,00

 

III – Microempreendedor Individual – MEI:

a) piso salarial de ingresso.         R$ 1.070,00

b) empregados em geral             R$ 1.201,00


O Regime Especial de Piso Salarial (REPIS) está previsto na Convenção Coletiva de Trabalho para dar tratamento diferenciado e favorecido às Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP).

Em caso de dúvidas entre em contato pelo telefone (17) 3211-4145.


PDFImprimirE-mail

Vendas do varejo na região de São José do Rio Preto recuam 1,6% em 2016, aponta Sincomercio Rio Preto

Segundo a assessoria econômica do Sincomercio Rio Preto, a consolidação dos dados das vendas reais do ano confirmou integralmente as projeções de estabilidade divulgadas a partir da metade de 2016 pela Federação, quanto ao movimento do comércio no ano e a interrupção do ciclo de quedas iniciado em 2014.

Das nove atividades pesquisadas, seis apresentaram resultados positivos em dezembro no comparativo com o mesmo mês de 2015, sendo as mais impactantes observadas em farmácias e perfumarias (14,2%), supermercados (9,8%) e concessionárias de veículos (6%), que juntas, contribuíram com 4,8 pontos porcentuais (p.p.) para o resultado geral.

Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base em informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP). Em dezembro, o faturamento real do comércio varejista na região de São José do Rio Preto atingiu R$ 2,0 bilhões, crescimento de 3,1% na comparação com o mesmo mês de 2015. No acumulado de 2016, porém, houve recuo de -1,6% nas vendas. Apenas quatro, entre as 16 regiões analisadas, registraram queda nas vendas no ano passado.

Já as retrações foram observadas nos grupos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (-10,5%), lojas de móveis e decoração (-0,7%) e lojas de vestuário, tecidos e calçados (-0,1%), que juntos, impactaram negativamente com 1,0 p.p. para o desempenho geral.

Das nove atividades pesquisadas, seis mostraram aumento em seu faturamento real em dezembro: autopeças e acessórios (16,1%), farmácias e perfumarias (15,8%), materiais de construção (8,6%), concessionárias de veículos (7,1%), outras atividades (3,2%) e supermercados (2,6%). Essas altas contribuíram para o resultado geral com 4,0 pontos porcentuais (p.p.).



Página 6 de 12

  • Banner
  • Banner
  • Banner