1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>
  • Banner
  • Banner

PDFImprimirE-mail

Vendas do varejo na região de São José do Rio Preto recuam 1,6% em 2016, aponta Sincomercio Rio Preto

Segundo a assessoria econômica do Sincomercio Rio Preto, a consolidação dos dados das vendas reais do ano confirmou integralmente as projeções de estabilidade divulgadas a partir da metade de 2016 pela Federação, quanto ao movimento do comércio no ano e a interrupção do ciclo de quedas iniciado em 2014.

Das nove atividades pesquisadas, seis apresentaram resultados positivos em dezembro no comparativo com o mesmo mês de 2015, sendo as mais impactantes observadas em farmácias e perfumarias (14,2%), supermercados (9,8%) e concessionárias de veículos (6%), que juntas, contribuíram com 4,8 pontos porcentuais (p.p.) para o resultado geral.

Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base em informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP). Em dezembro, o faturamento real do comércio varejista na região de São José do Rio Preto atingiu R$ 2,0 bilhões, crescimento de 3,1% na comparação com o mesmo mês de 2015. No acumulado de 2016, porém, houve recuo de -1,6% nas vendas. Apenas quatro, entre as 16 regiões analisadas, registraram queda nas vendas no ano passado.

Já as retrações foram observadas nos grupos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (-10,5%), lojas de móveis e decoração (-0,7%) e lojas de vestuário, tecidos e calçados (-0,1%), que juntos, impactaram negativamente com 1,0 p.p. para o desempenho geral.

Das nove atividades pesquisadas, seis mostraram aumento em seu faturamento real em dezembro: autopeças e acessórios (16,1%), farmácias e perfumarias (15,8%), materiais de construção (8,6%), concessionárias de veículos (7,1%), outras atividades (3,2%) e supermercados (2,6%). Essas altas contribuíram para o resultado geral com 4,0 pontos porcentuais (p.p.).


PDFImprimirE-mail

PRAZO PARA O REPIS TERMINA DIA 30

O Regime Especial de Piso Salarial (REPIS) está previsto na Convenção Coletiva de Trabalho para dar tratamento diferenciado e favorecido às Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP), definidas pela Lei Complementar nº 123/06, que instituiu o Simples Nacional.

Como funciona?

Na prática, as empresas que aderirem ao REPIS poderão praticar valores de pisos salariais diferenciados daqueles praticados pelas demais empresas, não enquadradas na Lei do Simples.

No momento, apenas as empresas estabelecidas no interior do Estado de São Paulo podem aderir ao regime. É que a cláusula do REPIS consta apenas na norma coletiva aplicável aos comerciários do interior.

Lembramos que esta declaração destina-se apenas às empresas contribuintes do Sincomercio Rio Preto. Mais informações pelo fone (17) 3211-4141



Página 8 de 14

  • Banner
  • Banner
  • Banner